sábado, 12 de janeiro de 2008

Essa minha profissão

A profissão de jornalistas é muito difícil.
Mas é nas ruas que aprendemos muito sobre a vida.
Me lembro bem quando decidi ser jornalista. Tomei essa decisão três vezes. A primeira ainda no "ginásio", agora chamado de ensino médio. Escolhi entre jornalismo e publicidade. Fiquei com o jornalismo. Depois foi antes da minha inscrição no vestibular. Estava em dúvida entre artes e jornalismo. Acreditem, o que me ajudou muito foi o fato de o centro de artes da Ufes ser uma bagunça (ironia do destino, no meio do curso nosso departamento 'se mudou para lá', rs). Fiquei mesmo com o Jornalismo.
A terceira e última vez foi durante o próprio curso. mais uma vez tive que escolher entre publicidade e minha futura profissão. Foi difícil. Por vezes estive com o pé numa agência, mas no 2º tempo fiquei com o Jornalismo. Graças a Deus.
Ah, se eu levar em conta que antes de ser chamada (fiquei na suplência) fiz 6 meses de cursinho e estava decida a prestar novo vestibular para direito, seriam 4 vezes. Ufá! Me chamaram.
Como ia dizendo, nossa profissão pode ser muito questionada, pela tal 'imparcialidade' não nunca existiu, não existe e jamais vai existir, admirada por tantos e odiada por muuuuitos outros.
Mas poucas profissões dão a oportunidade de viver momentos adversos, profundos, de grande desafio e que questionam a tão defendida 'sabedoria' desse ser chamado de jornalista.
É por isso que concordo com a máxima que diz que nós somos "especialistas em generalidades". Sabemos um pouquinho de cada coisa porque vivemos várias situações, muitos desafios.
Digo isso porque minha vida em um jornal é curta. Pouco mais de dois anos. E minha vida de repórter menor ainda. Pouco mais de cinco meses.
Como sabem, nestes últimos dias estou substituindo uma repórter. E posso dizer, essa semana foi pesada. Em vários sentidos. Cansativa e exaustiva no que diz respeito às emoções. Ao aprendizado sobre a vida.
Na terça fiz uma matéria sobre a revitalização do Centro de Vitória, e o Projeto Morar no Centro, que beneficiou 94 famílias com apartamentos (muitos com menos de 40 m²). Vão pagar 10% do salário todo mês assim que recebem o imóvel durante 15 anos. Va lá, melhor que pagar aluguel. E na quarta mostrei um desabamento de um trecho da BR 101, em Jacupemba, distrito de Aracruz, município do Espírito Santo.
Naquele dia não tive muita noção do estrago. Mas ontem voltei lá. As obras de recuperação e criação de um desvio já iniciaram. Mas não fui falar apenas disso. Fui também conversar com as famílias que moravam nas margens da BR e que tiveram as casas destruídas pela chuva. Irônico, não?
Elas moravam em um local de risco, e que era uma invasão. Conversei com o Prefeito em Exercício do município, Jones alguma coisa, não me lembro o sobre nome agora. Ele disse que vai 'arrumar' um outro local para as famílias.
Bom, se era um local 'de risco' e 'impróprio', por que não tiraram aquelas famílias de lá antes? Infelizmente, estava com tanta pressa que não perguntei isso a ele no momento.
Mas o pior não foi isso. O pior foi ver centenas de pessoas desabrigadas. Que 'não tinham nada' e que 'perderam tudo'. E eu ainda reclamo da vida de vez em quando.
Outra coisa que me chamou a atenção foi ver pessoas pouco instruídas e que sabem que tem direito a alguma coisa.
Antes de sair da cidade um senhor veio falar comigo. Disse que perdeu tudo. Só conseguiu salvar a família. Me disse que não havia mais sentido em sua vida. Tentei encorajá-lo. Disse-lhe que ele tem uma esposa e um filho para cuidar. "É só por eles que vivo", me respondeu. Naquele momento minha garganta se fechou. Mas tentei dizer que ele tem que ter fé, mesmo sendo questionada "por quê Deus fez isso? Eu não ligo pra luxo não. Vivo minha vidinha. Ganho 400 reais pra sustentar minha família. Quero mais que isso não".
É duro, muito duro. Lembrei-me que certa vez alguém me disse que certas pessoas nascem para sofrer, outras não. Espero realmente que essas pessoas tenham lugar garantido ao lado de Deus, para ter pelo menos uma 'vida eterna' digna.
Esse senhor, acho que nem perguntei o nome dele, se despediu agradecendo por eu tê-lo ouvido - acho que o que ele queria mesmo era desabafar com alguém. Dizendo que foi um prazer em me conhecer. Pediu pra que eu falasse a verdade. Que a culpa são dos donos de barragens irregulares - a enxurrada foi causada porque algumas delas transbordaram. Falei disso na minha matéria, mas mesmo assim não me senti bem. Devia ter dito que é um absurdo pessoas perderem tudo o que nunca tiveram por culta de uns e de outros, e que o governo só olham por essas pessoas depois que uma tragédia acontece.
Talvez eu ainda não tenha encontrado a verdadeira essência do jornalismo, talvez ainda não saiba qual minha real missão.
Mas de uma coisa eu sei. Esse mundo está muito errado. Há muitos hipócritas, ladrões (os de paletó e gravata), egoístas. E o que é pior. Sei que eu também sou hipócrita e egoísta.
Se essa minha profissão não serve para mudar o mundo, que pelo menos sirva para mudar a mim mesma.

14 comentários:

déborah capel; disse...

Com certeza só com a reportagem e seu textinho aqui no blog, você já vai fazer muitas abrirem a mente.
Também já ouvi essa parte de pessoas que nasceram para sofrer e eu queria que tudo fosse realmente como dizem, que o sol nasce para todos.
Mas não é...
Fazer o que?
;*

Kari disse...

Ah Kata!
Já não és a primeira pessoa que me fala das dificuldades dos jornalistas. Já aprendi que não poderemos mudar o mundo.
Mas eu decidi fazer jornalismo apenas uma vez. Na sétima série, quando escrevi uma redação sobre o caso de Suzane Von Ritchofen e minha professora disse que eu escrevia bem. Minha redação nem foi tão boa assim, mas gostei de escreer sobre algo sério, sabe? Não sei explicar ao certo o que me fez escolher jornalismo, mas depois dessa redação foi o que escolhi. Desde então não quero mais nada. Estudo pra isso. Pensei até em mudar de faculdade apenas para fazer um curso melhor, tentei, mas não consegui e vou me entregar de cara esse semestre, pois sei que o curso quem faz é o aluno.
É, se eu não puder mudar mesmo o mundo, eu espero mudar a mim mesma também...

Acabei me empolgando também...

Beijão

Biah disse...

Seeempre achei jornalismo uma profissão muuito interessante e divertida...
Sabe,jah escolhi medicina há muuuito tempo e naum pretendo mudar...
Mas se naum fosse querer ser médica eu acho q ia querer fazer direito ou jornalismo...
Acho o máximo!!!
Te desejo muuuitas realizações nessa profissão taaão concorrida...
E fiko feliz de saber q vc superou algo taaão ruim como uma doença cardíaca ainda criança...Parabéns,vc eh uma vencdora...

Mil beijos;
=D

Biaaahhh disse...

O coment de cima eh meu!!!

Lilah disse...

to indecisa entre psicologia e jornalismo!

xD

Beijoo

Juliana disse...

com certeza o jornalismo ainda vai te ajudar a encontrar tua missão... mas cada coisa a seu tempo né?
triste essa história né?

ღ mey ♥¨`*•.¸¸.•*´¨♥ღ disse...

nossa, parabens... jornalismo é mt bom... ainda vou fazer =D

bejaum

. C a r o l disse...

Sabe... Tendo encontrado a essência, ou ainda não... Eu acredito que pra seguir nessa profissão tem que ter muito amor, mta paixão pela causa.
Não é fácil não...
Eu tenho uma amiga formada em jornalismo deve ter uns 2 ou 3 anos. E putz... Eu sei como é barra pra conseguir as coisas, depois conquistar espaço, e acima de tudo fazer um trampo de respeito e talz.
Tem vários lados essa "carreira", né?
E é o sonho de consumo do meu namorado... Um dia, quem sabe!! rs

Beijocas, e tenha uma semana linda e abençoada!


http://www.no__sense.blogger.com.br/

déborah capel; disse...

Ah, esqueci de te falar que adorei a imagem do post e também amo Emmerson Nogueira.
(:

♥ lya disse...

Nossa, fiquei com uma pena desse senhor. A gente reclama tanto da nossa vida e nem nos damos conta do quanto temos sorte. Sorte mesmo, pq a maioria dessas pessoas que têm tudo, não merecem nada.
Um bjo.

Reticências disse...

Eu então, se for contar o q passei pra ser jornalista, fico aqui escrevendo por horas... rs Mas a decisão veio aos 12, depois q a professora leu um texto do Veríssimo sobre vocações. E veio perguntando a turma de aluno em aluno o q gostaria de ser. Respondi de sopetão e só depois percebi q não haveria outra coisa a dizer.

Não sei se vc leu o "Pq vale a pena ser jornalista" do Clovis Rossi. Mas é bem o q todos q nasceram p isso sabem: muito trabalho, desafios mil... mas uma satisfacao de sentir-se util sem nenhum comparativo.

Bjo

Reticências disse...

Eu então, se for contar o q passei pra ser jornalista, fico aqui escrevendo por horas... rs Mas a decisão veio aos 12, depois q a professora leu um texto do Veríssimo sobre vocações. E veio perguntando a turma de aluno em aluno o q gostaria de ser. Respondi de sopetão e só depois percebi q não haveria outra coisa a dizer.

Não sei se vc leu o "Pq vale a pena ser jornalista" do Clovis Rossi. Mas é bem o q todos q nasceram p isso sabem: muito trabalho, desafios mil... mas uma satisfacao de sentir-se util sem nenhum comparativo.

Bjo

Vinicius disse...

oi, boa tarde.

olha, estou com uma duvida enorme entre jornalismo e geologia.

será que você poderia me dar uma idéias sobre o que devo fazer, se realmente é jornalismo que quero?

bjaO. fik com DEUS. Boa sorte em seu trabalho.

se puder me add no msn

l_eke3@hotmail.com

Unknown disse...

網頁設計 網路行銷 關鍵字廣告 關鍵字行銷 餐飲設備 製冰機 洗碗機 咖啡機 冷凍冷藏冰箱 蒸烤箱 關島婚禮 巴里島機票 彈簧床 床墊 獨立筒床墊 乳膠床墊 床墊工廠 產後護理之家 月子中心 坐月子中心 坐月子 月子餐 銀行貸款 信用貸款 個人信貸 房屋貸款 房屋轉增貸 房貸二胎 房屋二胎 銀行二胎 土地貸款 農地貸款 情趣用品 情趣用品 腳臭 長灘島 長灘島旅遊 ssd固態硬碟 外接式硬碟 記憶體 SD記憶卡 隨身碟 SD記憶卡 婚禮顧問 婚禮顧問 水晶 花蓮民宿 血糖機 血壓計 洗鼻器 熱敷墊 體脂計 化痰機 氧氣製造機 氣墊床 電動病床 ソリッドステートドライブ USB フラッシュドライブ SD シリーズ